Associação Gaita-de-Foles A.P.E.D.G.F. APEDGF
Associação Portuguesa para o Estudo e Divulgação da Gaita-de-foles - Portuguese Bagpipe Society .'.
gaita - bagpipe - cornemuse - zampogna - dudelsack - bock - gaida - phìob - biniou - mezoued -zucra - duda - pipe - sackpipa
  Gaita-de-fole | Sócios | Actividades | Notícias | Escola | Comprar | Orquestra de Foles Documentos  | Contactos

« Principal « Notícias « Instrumentos Musicais na Idade Média
.
Alguns instrumentos:



Gaita de fole


Gaita de Fole


Alaúde


Cítola


Guitarra Latina


Saltério (meio canho)


Viola de Arco (Fídula)


Arrabil


Flauta e Tamboril


Alboca


Atabaque


Atabales

Espaco.jpg (632 bytes)
   
Espaco.jpg (632 bytes)
   
Espaco.jpg (632 bytes)
   
Espaco.jpg (632 bytes)
   
Espaco.jpg (632 bytes)

Pedro Caldeira Cabral:
A arte dos instrumentos musicais na Idade Média

Lisboa, Biblioteca-Museu República Resistência (Espaço Cidade Universitária).
Sextas-Feiras, dias 21 e 28 de Fevereiro de 2003 e dias 7 e 14 de Março de 2003, às 18:30h.


Pedro Caldeira Cabral, em conjunto com outros músicos, apresentou um concerto no auditório da Biblioteca-Museu República e Resistência, em Lisboa, nos dias 7 e 14 de Março. Este concerto é uma oportunidade única para conhecer o trabalho de Pedro Caldeira Cabral à volta de instrumentos e músicas medievais, que incluem reconstituições de gaita-de-fole baseadas em iconografias galaico-portuguesas desse período.


 Alguns instrumentos em exposição: Alboca, Gaitas (reconstituições a partir de iconografias das
 Cantigas de Santa Maria), Charamela e Tamboril.

Os instrumentos musicais ocupam um lugar importante na redescoberta e reconstituição actual da Música da Idade Média (Séculos XII a XV).
Até um período recente, os musicólogos dispunham apenas de informação escassa sobre os instrumentos, o seu repertório e a função da música secular. Actualmente, podemos formar uma imagem muito mais nítida da realidade histórica, sobretudo no que diz respeito aos instrumentos musicais utilizados no espaço cultural galaico-português no período trovadoresco.

Os instrumentos musicais são hoje considerados e estudados como objectos de Arte em si mesmos, e não apenas como veículos de outra arte: a Música. Assim, podemos hoje reflectir sobre as relações entre as Artes Liberais e os instrumentos, bem como a sua simbólica ou o reflexo das mentalidades em certas técnicas com implicações musicais.

A importância dos instrumentos musicais neste período é-nos transmitida por numerosos testemunhos literários e iconográficos. Começando pelo Codice Calixtino (Séc. XII), que nos descreve numerosos instrumentos musicais usados pelos peregrinos que se dirigiam a Santiago de Compostela e nos fornece também textos musicais, e terminando com o extenso poema do Arcipreste de Hita no Livro de Buen Amor (Séc. XIV), encontramos uma completíssima nomeclatura organológica do período medieval.

O complemento iconográfico é essencial para a reconstituição moderna, sendo este fornecido pelas esculturas dos pórticos das catedrais de Santiago e Ourense (séculos XI e XII) ou o menos conhecido portal da igreja de San Martin de Noia, Galiza (séc. XV), ou em Portugal, os casos do pórtico do Mosteiro de Santa Maria da Vitória, Batalha, ou da igreja de Nossa Senhora da Oliveira, em Guimarães, ambos do Séc. XV. Temos também as iluminuras do Códice do Escorial das Cantigas de Santa Maria ou as do nosso Cancioneiro da Ajuda (séculos XIII e XIV).
Com este espectáculo pretende-se dar a conhecer a riqueza instrumental dum período que geralmente associa as formas mais estáticas da música religiosa que excluíam o uso de instrumentos musicais, ilustrando de forma viva o uso dos mesmos nas práticas musicais seculares.

Programa:

1. Anónimo (séc. XIV)
Lamento di Tristano/La Rotta 
Alaúde, Fídula, Pandeireta

2. Afonso X, o Sábio (séc. XIII)
Cantiga de Santa Maria n.O 166 
Baldosa, Fídula, Darabuka

3. Anónimo (séc. XIV)
La Manfredina / La Rotta 
Cítola, Fídula, Darabuka

4. Anónimo (séc. XIV)
Saltarello 
Guitarra Latina, Alaúde, Pandeireta

5. Afonso X, o Sábio
Cantiga de Santa Maria n.o 100 
Saltério, Fídula, Crótalos

6. Anónimo (séc. XIII)
Ductia
Fídulas, Crótalos

7. Martim Codax (séc. XIII)
Mandad'eí comigo 
Arrabil, Alaúde, Adufe

8. Anónimo (séc. XIV)
Saltarello 
Lira, Alaúde, Pandeireta

9. Afonso X, o Sábio
Cantiga de Santa Maria n.O 338 
Tintinnabula, Fídula, Darabuka

10. Anónimo (séc. XII)
Cantiga de Trovador 
Siringe, Alaúde, Baldosa

11. Afonso X, o Sábio
Cantiga de Santa Maria n.o 7 
Exabebas, Alaúde

12. Anónimo (séc. XIII)
Ductia
Flautas doces, Pandeireta

13. Afonso X, o Sábio
Cantiga de Santa Maria n.O 159 
Flauta e Tamboril, Alaúde, Pandeireta

14. Anónimo (séc. XIII)
Vayamos irmana
Pífaro de Osso, Trancanholas, Fídula

15. Afonso X, o Sábio
Cantiga de Santa Maria n.O 260 
Alboca, Alaúde, Atabaque

16. Afonso X, o Sábio
Cantiga de Santa Maria n.O 116 
Dulzaina, Gaita de Fole, Darabuka

17. Anónimo (séc. XIII)
La Quinte Estampie Real 
Gaitas de Fole, Pandeireta

18. Anónimo (séc. XIII)
Danse Real
Charamela, Gaita de Fole, Atabales


Músicos e Instrumentos:

Pedro Caldeira Cabral
- Viola e Lira de Arco, Baldosa, Cítola, Guitarra Latina, Saltério, Arrabil, Tintinnabula, Flauta de Pan, Exabeba, Flauta Doce, Flauta de Tamborileiro, Alboca, Dulzaina, Charamela, Gaita de Fole.
Joaquim António Silva - Alaúde, Viola de Arco, Flauta Doce, Gaita de Fole.
Fernando Marques Gomes - Baldosa, Exabeba, Atabaque, Atabales, Adufe, Pandeireta, Darabuka, Címbalos, Crótalos.

 


Início | Gaita-de-fole | Sócios | Actividades | Notícias | Escola de Gaitas |
Comprar | Orquestra de Foles | Documentos | Equipa | English  | Links | Contactos
Powered by RRMerlin

Associação Gaita de Foles - direitos reservados