Associação Gaita-de-Foles A.P.E.D.G.F. APEDGF
Associação Portuguesa para o Estudo e Divulgação da Gaita-de-foles - Portuguese Bagpipe Society .'.
gaita - bagpipe - cornemuse - zampogna - dudelsack - bock - gaida - phìob - biniou - mezoued -zucra - duda - pipe - sackpipa
  Gaita-de-fole | Sócios | Actividades | Notícias | Escola | Comprar | Orquestra de Foles Documentos  | Contactos

« Principal « Notícias « II Encontro de Tocadores
.
 

1º Encontro: Crónica

Breve Crónica do I Encontro de Tocadores, por José Miguel Barros, no site At-tambur.com
  Dúvidas?

Para quaisquer dúvidas e esclarecimentos adicionais, contactos:

E-mail:
[email protected]

Telefone:
91 763 8023

 

Para Ouvir

Registos sonoros recolhidos no estúdio de gravação da edição de 2002, disponíveis para download, em mp3
  Fotografias
Imagens das várias oficinas do primeiro Encontro...

II Encontro de Tocadores
Ao encontro da música tradicional e dos seus instrumentos

Nisa, dias 9, 10 e 11 de Maio de 2003
 
Encontro Actividades Instrumentos Programa Inscrições

Instrumentos - Adufe ou Pandeiro
Características
Distribuição
Tocadoras: D. Amélia e D. Laura
O Pivot: Rui Vaz



Foto: Um aspecto das oficinas de Adufe, no I Encontro de Tocadores.

Características
Denominamos pandeiros os membranofones de percussão directa, de aro muito baixo, cujas peles são fixas (não permitindo portanto a graduação da sua tensão e tonalidade), cosidas umas às outras sobre o aro, ou pregadas a este. Dentro desta definição geral, porém, a palavra designa vários instrumentos uni e bimembranofones de diversos formatos, nomeadamente redondos e quadrangulares ou poligonais, grandes ou pequenos, e sem ou com soalhas interiores ou exteriores (e que, de resto, aparecem com frequência nas mesmas ocasiões, e que há uma certa tendência para considerar conjuntamente).
Pandeiros bimembranofones — Os pandeiros bimembranofones (que consideramos
apenas na sua forma quadrangular, que é a mais característica) encontram-se entre nós, hoje, exclusivamente na faixa oriental do País, desde a Lomba de Vinhais, no alto Trás-os-Montes, até ao rio Douro, e de terras da Guarda até ao Baixo Alentejo ou seja, nas áreas pastoris portuguesas por excelência,onde eram, até não há muito tempo, extremamente correntes, continuando a sê-lo em algumas partes, nomeadamente na Beira Baixa, de que se podem mesmo considerar o instrumento característico. Eles aparecem associados à música vocal popular tradicional mais genuína — por vezes caracteristicamente arcaica — das diversas regiões onde ocorrem, como seu acompanhante natural e específico.
Em Portugal, os pandeiros bimembranofones quadrangulares são quase quadrados ou losangulares; em casos pouco significativos, ocorrem também alguns redondos, e, num exemplo único, em Duas Igrejas (Terras de Miranda), triangulares e hexagonais, a par dos quadrangulares; mas, pelo menos actualmente, os redondos, e por maioria de razão os triangulares e poligonais, não mostram, além do seu formato, características especiais que os distingam essencialmente dos quadrangulares.
(Extraído e adaptado do livro "Instrumentos Musicais Populares Portugueses", de Ernesto de Oliveira e Benjamim Pereira, Gulbenkian, 2000).

Distribuição
A área portuguesa do pandeiro quadrangular, a Ocidente, não ultrapassa, em Trás-os-Montes, a Lomba de Vinhais, prolongada, a inflectir para leste, na linha de Bragança a lzeda e alturas para lá dos vales inferiores do Sabor, abrangendo assim, além dessas terras de Vinhais e da Lombada de Bragança, a região tão peculiar do Vimioso, Miranda do Douro e Mogadouro, e o concelho de Freixo
de Espada à Cinta. Na Beira-Alta, o uso e a área deste pandeiro são, pelo menos
actualmente, diluídos e imprecisos; mas, aí e na Beira Baixa, a serra da Estrela marca um limite perfeitamente definido, que continua ao sul pela serra de Alvelos, existindo outrora o instrumento em Proença-a-Nova (Amendoa), mas sendo desconhecido na Sertã. No Alentejo, ele vai até ao sul de Beja (Ataboeira), hoje também muito escasso, à excepção da região de Portalegre e Santa Eulália
(Elvas), onde mantém plena vigência. Ele é especialmente frequente,
e com a maior vitalidade, na Beira Baixa. Temos notícia de pandeiros bimembranofones redondos apenas em localizações dispersas e muito restritas, por exemplo na Gestosa (Lomba de Vinhais), estreito e com soalhas no aro, usado
pelas mulheres, a acompanhar o canto e a dança; em Monforte do Alentejo (ao mesmo tempo que o quadrangular), usado igualmente pelas mulheres nas alvoradas do S. João; em Duas Igrejas (Miranda do Douro), pertencentes ao grupo folclórico local. Actualmente, estes pandeiros redondos, entre nós, não mostram caracteres especiais que os distingam essencialmente dos quadrangulares.

(Extraído e adaptado do livro "Instrumentos Musicais Populares Portugueses", de Ernesto de Oliveira e Benjamim Pereira, Gulbenkian, 2000).

Tocadoras: D. Amélia e D. Laura

D. Amélia Fonseca D. Laura

A D. Laura e a D. Amélia são dois dos elementos fundadores das Adufeiras de Monsanto. Este grupo nasceu da vontade de um grupo de mulheres de Monsanto de tratarem com carinho redobrado a sua tradição, tanto no que respeita ao repertório tradicional, como aos ritmos de adufe e aos trajes. Nadas, criadas e vivendo ainda em Monsanto, estas duas senhoras conhecem o seu instrumento como poucos, e são um repositório vivo da cultura da sua região que amam apaixonadamente. A experiência do 1º Tocadores foi altamente enriquecedora, porque levou os participantes a descobrirem além das dificuldades técnicas de um instrumento aparentemente fácil de tocar, algumas das histórias e tradições que a ele estão ligadas. Para as adufeiras a descoberta de gente jovem interessada na sua arte.

O Pivot: Rui Vaz
Rui Vaz é fundador do grupo “Cramol”, do qual foi director artístico, e esteve também na origem do projecto “Adufe” de José Salgueiro. Vaz colaborou com o Museu de Etnologia e no Livro de Instrumentos Populares Portugueses do Professor Ernesto Veiga de Oliveira, e participou em trabalhos de recolha de música tradicional, especialmente em Trás-os-Montes e Alentejo.
Rui Vaz tocou em espectáculos e gravações de Zeca Afonso, Fausto, José Mário Branco, Janita Salomé, Júlio Pereira, “Ronda dos Quatro Caminhos”, “Romanças” (músico convidado), Donal Katchamba (músico do Malawi), entre outros, tendo igualmente participado em espectáculos com repertório baseado em canções do Alentejo para viola campaniça. Pertenceu aos grupos “Bago de Milho”, “O Ó que som tem?” e ao “Grupo de Acção Cultural – Vozes na Luta” (GAC). Da sua actividade destacam-se ainda a realização de oficinas de música tradicional na Biblioteca Operária Oeirense, a participação em coros amadores e algumas experiências no campo do Jazz e dos Blues. 
Iniciou a sua formação na Juventude Musical Portuguesa e frequentou um curso de percussão dirigido pelo professor austríaco R. Schingerling. Desde 1976 desenvolve o estudo e a prática do Canto Alentejano e da Gaita de Foles, como autodidacta.

(texto retirado do site gaiteirosdelisboa.com)

 


Início | Gaita-de-fole | Sócios | Actividades | Notícias | Escola de Gaitas |
Comprar | Orquestra de Foles | Documentos | Equipa | English  | Links | Contactos
Powered by RRMerlin

Associação Gaita de Foles - direitos reservados