Associação Gaita-de-Foles A.P.E.D.G.F. APEDGF
Associação Portuguesa para o Estudo e Divulgação da Gaita-de-foles - Portuguese Bagpipe Society .'.
gaita - bagpipe - cornemuse - zampogna - dudelsack - bock - gaida - phìob - biniou - mezoued -zucra - duda - pipe - sackpipa
  Gaita-de-fole | Sócios | Actividades | Notícias | Escola | Comprar | Orquestra de Foles Documentos  | Contactos

Projecto   :   Instrumentos   :   Programa   :   Locais   :   Inscrição   :  Contactos 

Índice

A percussão dos Zés-P'reiras

Os Tocadores

O Pivot

 

Espaco.gif (821 bytes)
Espaco.gif (821 bytes)
Espaco.gif (821 bytes)
Espaco.gif (821 bytes)
Espaco.gif (821 bytes)
Espaco.gif (821 bytes)
Espaco.gif (821 bytes)
Espaco.gif (821 bytes)


Instrumentos >
Percussões


Manuel e Ricardo Lima, do grupo de Zés-P'reiras "Os Divertidos" (Delães, Vila Nova de Famalicão).

A Percussão dos Zés-Preiras
No Entre Douro e Minho existem três modos de agrupamentos comummente designados de zés-preiras: o primeiro, bastante comum por diversas regiões do país como Trás-os-Montes, Beira Litoral ou Estremadura, constituído por Gaita-de-fole, Caixa e Bombo, o qual é correntemente apelidado de "gaiteiros"; o segundo, composto por um número indeterminado de caixas e bombos (que às vezes atingem algumas dezenas de elementos), também conhecido por zabumbas, tamborileiros ou trampolineiros, dos quais encontramos bastantes no Douro Litoral em especial nos concelhos de Amarante, Felgueiras, Paços de Ferreira, Penafiel, Gaia, entre outros; e por fim, também intitulados de "charanga", o agrupamento do qual fazem parte gaitas de fole, clarinetes, uma ou duas caixas e um ou dois bombos e que se observam desde o Baixo até ao Alto-Minho.

Componentes de importância acrescida no cerimonial das festividades do Entre Douro e Minho, os Zés-P'reiras, tal como outros fenómenos de agrupamentos musicais tradicionais, transportam consigo um repertório que varia entre o sagrado e o profano. Um dos aspectos importantes na interpretação das suas cadências e ritmos é o conhecimento e compreensão das condicionantes de cada música tendo em conta esta dicotomia, percebendo a distinção entre o que são ritmos ao divino e ritmos de diversão.

Podemos encontrar os grupos de Zés-P'reiras em bastantes festas do país e, não raramente, actuando em todas as fases da solenidade desde a sua preparação (peditórios) até à igreja, na hora da missa solene, onde vão levar os juízes e mordomos que organizaram a festividade, assim como podem também participar na procissão dessa mesma eucaristia. Mesmo em momentos de maior importância religiosa eles podem-se fazer ouvir numa qualquer procissão ou no acompanhamento do compasso pascal, embora cada vez mais as fanfarras de bombeiros e escuteiros os tenham substituído para estas ocasiões cerimoniais.

Por outro lado, e no aspecto mais profano das suas actuações, tocam nas alvoradas das manhãs que precedem o dia principal da festa, em desfiles (de figuras gigantescas, de oferendas, etc.), em cortejos alegóricos e corsos carnavalescos, em comemorações desportivas, e muito raramente, na animação de bailes.

Para a oficina de percussão, além da compreensão destes aspectos, importa realçar a riqueza técnica que os tocadores tradicionais mais experientes conseguem expressar, o que requer bastante apuramento, e que pode ser transmitido à assistência através duma interacção atenta e compreensiva.

Os Tocadores: Manuel Lima e Ricardo Lima
Manuel e Ricardo Lima são membros do grupo de Zés-P'reiras “Os Divertidos” de Delães, Vila Nova de Famalicão. Manuel Lima herdou do pai, João Pereira Lima, a regência dos “Divertidos” e desde então tem executado a sua actividade com a ajuda de familiares e amigos entre os quais o seu filho mais velho, Ricardo Lima. Os grupos desta freguesia distinguem-se dos demais Zés-P'reiras por apresentarem uma formação de tipo "charanga", onde entram várias gaitas, clarinetes, caixa a tempo, caixa a contratempo e bombo. Tal como muitos tocadores tradicionais, além de gaiteiros e clarinetistas, estes dominam igualmente a percussão, demonstrando as polivalências dos elementos destes agrupamentos.

O Pivot: Paulo Tojeira
Paulo Tojeira é o fundador do projecto Tocándar, um projecto pedagógico e artístico, constituído por crianças e jovens da Marinha Grande, que transporta para a actualidade a festa dos “Zés Pereiras”, integrando ambientes rítmicos tradicionais e contemporâneos. Participou em diversos projectos musicais desde 1974 até hoje. É também licenciado em Educação Física, com um Doutoramento em Fisioterapia e Educação Física pela Academia de Medicina de Sófia (Bulgária), tendo-se especializado em Terapia da Mão. Ao longo do seu percurso tem procurado aplicar os seus conhecimentos de fisioterapia às técnicas de percussão.







 


Início | Gaita-de-fole | Sócios | Actividades | Notícias | Escola de Gaitas |
Comprar | Orquestra de Foles | Documentos | Equipa | English  | Links | Contactos
Powered by RRMerlin

Associação Gaita de Foles - direitos reservados