Associação Gaita-de-Foles A.P.E.D.G.F. APEDGF
Associação Portuguesa para o Estudo e Divulgação da Gaita-de-foles - Portuguese Bagpipe Society .'.
gaita - bagpipe - cornemuse - zampogna - dudelsack - bock - gaida - phìob - biniou - mezoued -zucra - duda - pipe - sackpipa
  Gaita-de-fole | Sócios | Actividades | Notícias | Escola | Comprar | Orquestra de Foles Documentos  | Contactos

 
 
     
     
 

 

Pré-inscrição em linha »

Espaco.gif (821 bytes)

Espaco.gif (821 bytes)
Espaco.gif (821 bytes)
Espaco.gif (821 bytes)
Espaco.gif (821 bytes)
Espaco.gif (821 bytes)
Espaco.gif (821 bytes)


Oficinas
> Concertina


Oficina de Concertina (Tocar de Ouvido 2006).

Tocadores: Julinho da Concertina & Vitoriano Semedo
Os tocadores convidados desta edição são Julinho da Concertina e Vitoriano Semedo, músicos Cabo-verdianos residentes em Portugal, que trarão os sons da "Gaita" (como a concertina é chamada em Cabo Verde), e do Ferro (idiofone de metal que acompanha a música da concertina). Virão para ensinar as músicas Cabo-verdianas e dar a conhecer a convivência de diferentes géneros musicais nessa parte do mundo, que mistura influências europeias e africanas.
Júlio Lopes da Veiga, "Julinho da Concertina", é um músico bem conhecido na comunidade de tocadores de concertina em Portugal, bem como da comunidade Cabo-verdiana, tendo já actuado em palco com muitos nomes famosos desse universo musical.

Pivot: Dulce Cruz
Licenciada no Curso de Professores do Ensino Básico variante de Educação Musical pela Escola Superior de Educação de Coimbra e com o Curso Geral de Formação Musical pelo Conservatório de Música de Coimbra.
Fez parte de projectos como: Bach to Cage - Grupo pertencente à Universidade de Aveiro (dança, voz e acordeão), d´Orfanfa (acordeão), GEFAC - Grupo de Etnografia e Folclore da Academia de Coimbra (voz e concertina), Tuna Académica da Universidade de Coimbra (bandolim), Antigos Tunos da Universidade de Coimbra (bandolim), Coro Misto da Universidade de Coimbra, Orfeão Académico da Universidade de Coimbra e Grupo Popularis (acordeão). Deu Cursos de Formação para Professores do Ensino Básico, no âmbito das “Danças tradicionais do mundo”. Criou e dirigiu a “Tuna de Ançã” e o grupo “Rodafole” (música étnica). Frequentou o Curso de Jazz na Escola de Música RIFF em Aveiro, tendo terminado os 4 anos de Harmonia e Formação Auditiva , 2 ano de Piano (vertente jazz) e feito parte de alguns combos de Jazz.
Criou e é directora da Academia de Música de Ançã, onde também lecciona as aulas de concertina, gaita-de-fole e Formação Musical. Faz parte do grupo “MU” (música do Leste Europeu ) onde toca acordeão. Com este grupo tem tocado em vários festivais em Portugal e Espanha: “Andanças” em São Pedro do Sul, Festival Intercéltico de Sendim, “Sete sóis, sete Luas”, “Danzas sin fronteras”, Festival de Plazencia, Festival de Música Celta de Bilbau, Santiago de Compostela, entre outros. Dirige um Grupo de Gaitas-de-fole e Percussão “Roncos e Curiscos”. Faz parte do Grupo Típico de Ançã (concertina). Faz parte do corpo docente da d´Orfeu Associação Cultural em Águeda, onde lecciona o Curso Mensal de Gaita-de-fole. Integrou recentemente o 3º Curso de Formação de Animadores Musicais na Casa da Música, no Porto.


A Concertina em Cabo Verde, por Artur Fernandes
Nestas coisas da tradição oral é muito difícil obter provas, mas sabe-se que o acordeão terá chegado ao Brasil (Rio Grande do Sul) na década de 50 do sec.XIX, levado por emigrantes alemães e italianos (marcas Hohner e Paolo Soprani) e só terá chegado a Portugal na década de 90.
Quanto a Cabo Verde não há registos para além da oralidade (que cai muito facilmente no domínio da lenda). Estas informações nunca referem marinheiros portugueses, mas sim franceses (até há algumas histórias de piratas)
Efectivamente na patente da invenção do Acordeão (Demian - Áustria) são referidos os aspectos da portabilidade e do custo como vantajosos em relação ao orgão. Mas na prática, como se tornou rapidamente num instrumento muito popular, associado à ruralidade, fica umbilicalmente ligado às danças tradicionais. O repertório do acordeão, logo desde início, são géneros coreográficos.
Como a dança era considerada uma coisa proscrita pela Igreja Católica, o instrumento era perseguido pelos padres (e muitas vezes apreendido), até porque o tocador no adro da igreja lhes roubava "clientes" para a Missa... (Este cenário foi comum em Portugal, França, Itália, País Basco, Brasil, etc).
Em Cabo Verde mais motivos houve para esta má relação entre Igreja Católica e Acordeão; a repressão de todas as manifestações de origem africana que a Igreja Católica levou a cabo em Cabo Verde, deram origem ao batuco tocado em toalhas, por exemplo e o ao uso do ferro no Funaná (uma faca de cozinha a raspar numa barra de ferro duma cama), em vez de um reco-reco.
Também por isso, se deu a prevalência da Morna e da Coladeira (urbanos e de influências europeias) em relação ao Funaná, Batuco, Kola San Jon, (rurais e de influências africanas). Esta situação só começaria a inverter-se depois da independência. O grande responsável pela "redescoberta" da música rural Cabo-verdiana é o precocemente falecido Katchass (Carlos Martins) dos Bulimundo, que incorporaram ritmos e harmonias do Funaná, Batuco e outros. Mais tarde os "Simentera" continuam este percurso numa vertente acústica.
O Funaná é também um género coreográfico tipicamente africano de pares e bastante sensual (como o tango, mas muito mais explícito), é cantado em crioulo (geralmente o tocador da "gaita", acordeão diatónico). Os padrões harmónicos são modais contrariamente ao que seriam as harmonias tonais dos coros religiosos e os padrões rítmicos são sincopados, "uptime" e repetidos obstinadamente. Estas características, afastam a probabilidade do Funaná ter nascido a partir dos coros religiosos.
Como em outros países com músicas tradicionais de transmissão oral, o Funaná esteve quase a desaparecer no final dos anos 70 do sec. XX. Como foi referido atrás, foi muito importante o trabalho do Katchass nos Bulimundo, para que o Funaná não morresse. Foi ele que "descobriu" o Kodé di Dona, que mais tarde viria a gravar para a etiqueta Ocora da Radio France.
É então que no decorrer dos anos 80 muitos tocadores voltam a fazer bailes de Funaná, depois de terem parado.
Com a evolução dos meios técnicos, muitos tocadores gravam CD's: Bitori nha Bibinha, Sema Lopi e Julinho da concertina (este residente em Portugal) entre outros.
Até que aparecem os Ferro Gaita (finais da década de 90) a combinarem a Gaita e o Ferro com o Baixo eléctrico e a Caixa de ritmos ("Drum machine") – à semelhança do que os Bulimundo já tinham feito - e tornam-se rapidamente um fenómeno de popularidade.
Um aspecto importante na cultura Cabo-verdiana é que todos parecem ser músicos! Toda a gente sabe "dar um jeito" num instrumento qualquer. E com o advento das gravações acessíveis de CD, ter um CD gravado é quase como ter um Bilhete de Identidade. Assim, hoje proliferam dezenas de CD's de Funaná, com Ferro, Gaita, Baixo eléctrico, Caixa de Ritmos. Até o próprio Kodé di Dona, depois do "acústico" para a Ocora já gravou (salvo erro, em 2001) Funaná Eléctrico. De referir que este movimento, a par do Batuco, centra-se essencialmente na ilha de Santiago, em oposição à Morna e Coladeira, mais centradas em S. Vicente. Este é mais um aspecto da rivalidade entre Mindelo (S. Vicente) e Praia (Santiago).
Artur Fernandes





 


Início | Gaita-de-fole | Sócios | Actividades | Notícias | Escola de Gaitas |
Comprar | Orquestra de Foles | Documentos | Equipa | English  | Links | Contactos
Powered by RRMerlin

Associação Gaita de Foles - direitos reservados